Como dar limites às crianças de acordo com a idade

Todas as crianças precisam de amor, carinho, cuidados e atenção. Porém, não menos importante, é ensiná­las os tão famosos limites. A criança
aprender o que pode e o que não pode também é uma forma de amor.
 
Mas, o que são limites?
Limite é tudo aquilo que demarca, separa e finda territórios, avisando o que pode e o que não pode ser realizado.
Muitos pais tem dúvidas de como e quando começar a ensinar, acreditam que devem esperar as crianças estarem falando e compreendendo
melhor as coisas, para mostrar quais são as regras, pois afinal de contas um bebê não entende nada, certo? ERRADO!!!!!!
Então, como e quando mostrar os limites? Em uma casa na qual moram crianças de diferentes idades, será desafiador apresentar esses limites.
A forma de apresentar as regras será de acordo com o amadurecimento de cada criança. Isso não significa que as regras serão diferentes, só
serão apresentadas de acordo com o entendimento de cada uma.
Uma criança menor exige maior atenção no que se refere aos limites, mas se a regra da casa diz que não pode mexer no celular da mamãe, essa
regra deve valer desde o menor até o mais velho.
Para ajudar os pais em todas as fases da criança é importante saber em que fase ele ou eles se encontram:
 
Até 6 meses: até há pouco tempo, a única vivência do bebê era dentro do útero. Quando ele nasce, fica totalmente perdido precisando de direção,
e é aí que entra o papel dos pais, montando uma rotina necessária. Esse é o primeiro contato do bebê com as regras da casa. Ele terá horário
para tudo: para dormir, para comer, para tomar banho, para trocar as fraldas, entre outras coisas necessárias para a sua sobrevivência.
 
Até os 2 anos: Nesta faixa etária, os pais precisam ter muita paciência e repetir as ordens diversas vezes, até que a criança incorpore as regras.
Repita dez, cem, mil vezes, quantas vezes forem necessárias. Seu filho somente agora começa a perceber as pessoas ao seu redor e entender
melhor o mundo, mas ainda terá dificuldade em dividir suas coisas, e para tudo irá falar: "é meu!". Nesta fase, a palavra mais ouvida por ele é
"não", principalmente no que se refere à sua segurança. O "não" usado em excesso pode fazer com que a criança faça o contrário, isto é,
desobedeça. Para a segurança da criança, o ideal é ir até ele e retirá­lo do perigo.
 
De 3 a 5 anos: Essa é a tão famosa fase da teimosia e dos "porquês". Nesta fase, as crianças estão descobrindo o mundo e querem mexer em
tudo. A criança vai testar todos os limites dos pais, portanto nunca mude as regras por causa do seu filho. Faça com que ele deve se adapte às
regras da casa, e não o contrário. Caso ele seja pego fazendo "arte", corrija na hora! Se deixar para mais tarde, ele talvez não consiga fazer a
associação da bronca com seu erro.
 
De 6 a 10 anos: Nesta fase os filhos já conhecem perfeitamente as regras da casa, sabem o que pode e o que não pode, e mesmo assim
desobedecem. Argumentar com seu filho sobre uma determinada decisão é excelente, porém nesta fase muitas vezes só a argumentação não é
suficiente. Os pais devem então entrar com a proibição e simplesmente lembrá­lo de qual regra estão se referindo. Elogiar ainda é uma grande
solução para um estímulo positivo, elogie sempre seu filho! O elogio precisa ser merecido e não só quando ele acertar, mas principalmente
quando ele demonstrar esforço.
Quanto mais velha for a criança, mais testam seus limites. Educar uma criança não é trabalho fácil, requer muito atenção, disciplina, paciência e
coerência, principalmente na primeira infância (período que compreende de 0 a 7 anos), quando a personalidade está se firmando. Converse com
seu filho, é muito importante ter um tempo com ele, e explicar o porquê das proibições e das regras. Porém, não é necessário ficar se justificando
muito ou explicando demais. Se ele não quis entender da primeira vez, dificilmente será convencido por mais e mais explicações. Vale também
dizer simplesmente que é para o bem dele, e que será assim até ele crescer.
Saiba que, agindo assim, a cada dia que passar maior será o diálogo e a cumplicidade entre vocês. Assim, você verá o crescimento e
amadurecimento dele, percebendo como se tornou um ser humano responsável e admirável.
 

Fonte: Pediatra Online