Crianças e esportes

Praticar esportes não tem idade: é importante para a saúde e bem-estar em qualquer idade. A partir do momento que a criança já tenha já tenha uma certa maturidade física, mental e social, já pode praticar esportes, no sentido amplo da palavra. Criando-se o hábito desde cedo, pode economizar em problemas mais para frente. Também ensina às crianças relacionar-se de forma sadia com outras crianças. É um grande aliado no combate ao sedentarismo e obesidade infantil, diverte e aumenta a autoconfiança das crianças. Existem orientações gerais sobre esportes adequados para cada faixa etária, mas devemos sempre lembrar que as crianças se desenvolvem em velocidades diferentes. Se a criança já tem o grau de maturidade exigida para determinado esporte, mais provavelmente irá gostar de praticar aquela atividade. Dividi as atividades em 3 faixas etárias diferentes: 2 a 5 anos, 6 a 9 anos e 10 a 12 anos.
 
 
2 a 5 anos
A coordenação motora fina só se desenvolve nas crianças a partir dos 6 anos. A capacidade de atenção e o equilíbrio ainda são limitados. A visão e capacidade de seguir objetos em movimento ainda não estão completamente desenvolvidos. Portanto, as atividades indicadas são aquelas que dependem da coordenação motora mais grosseira e habilidades básicas, como correr, nadar, rolar, cambalhotas, jogar e pegar objetos de um para o outro. Essas habilidades podem ser aperfeiçoadas, mas não dependem de um esporte organizado e com regras. Nessa idade a atenção se dispersa facilmente. As crianças aprendem explorando, experimentando e copiando aos outros. Deve ter regras simples e limitadas, apreendidas através de demonstração, e com tempo pré-determinado. Evite atividades competitivas. Os pais devem servir de exemplos e são encorajados a participar.
 
6 a 9 anos
 Aos 6 anos, a maioria das crianças já tem habilidades motoras suficientes para esportes mais organizados, com regras, e em grupo. As regras deixam de ser aleatórias e centradas na própria criança. Mas, ainda pode faltar a coordenação entre os olhos e as mãos que alguns esportes exigem. A criança pode também ainda não entender ou lembrar de todas as regras e estratégias usadas em um esporte em equipe. Os esportes mais adequados são aqueles que podem ter suas regras flexibilizadas para os pequenos, e que exijam habilidades mais básicas. Incluem-se nessa lista correr, nadar, pedalar, futebol, tênis, artes marciais, ginástica olímpica e dança. Esportes que precisem de tomadas de decisão rápidas, reflexos apurados e estratégia de equipe (por exemplo basquete, handebol e vôlei) ainda não são adequados, a não ser que sejam bastante modificados. As regras devem ser adaptadas para promover ação, sucesso e participação de todos, e focar no desenvolvimento de novas habilidades e não em vencer. O material e as condições do jogo também devem ser adaptados, por exemplo, bolas menores, campos menores, tempos menores, menos jogadores e mudança frequente de posições.
 
10 a 12 anos
Nessa idade a maioria das crianças já consegue realizar atividades complexas, já tem boas habilidades motoras e cognitivas, inclusive para seguir estratégias de jogo e jogo em equipe. Porém, o foco ainda deve ser em desenvolvimento, diversão, e participação, não competição. Lembrar também que nessa idade muitas crianças já podem estar na puberdade. Isso significa que as diferenças entre elas podem ser muito grandes. Isso pode influenciar no esporte adequado para determinada criança, pois pode haver crianças muito maiores, mais fortes e mais pesadas do que outras da mesma idade. A puberdade mais cedo pode temporariamente dar mais vantagem a uma criança, o que não quer dizer que esta tenha mais habilidade ou que no futuro continuará sendo melhor que outra com a puberdade mais atrasada. Preferencialmente, as crianças devem jogar com outras no mesmo estágio de desenvolvimento. As crianças que estão em desvantagem devem ser encorajadas a participar de esportes que não dependam tanto do tamanho, como tênis, natação, artes marciais, ginástica olímpica e dança. Além disso, o estirão de crescimento que ocorre nessa idade pode temporariamente afetar a coordenação e o equilíbrio. Isso pode ser frustrante para a criança, mas não quer dizer que não tenha habilidade para o esporte. Esportes de saltos só são indicados após os 11 anos, Esportes competitivos só após os 12-13 anos. Musculação, na maioria da vezes, só após o estirão de crescimento e sob orientação de perto e especializada.
 
Outras orientações:
 É importante também os pais manterem a forma, praticar e dar valor às atividades esportivas. Pense sempre na diversão proporcionada pela atividade, deve interessar e envolver a criança. Pratique atividades variadas. Pensar sempre na segurança, tanto no local como nos equipamentos usados. Cuidados com a alimentação e orientação por pessoas especializadas são fundamentais. Em geral, na idade escolar, as crianças já começam a se separar em grupos de meninos e de meninas, mas até os 10 anos é possível crianças dos dois sexos praticarem esportes juntas. Após essa idade, as diferenças de tamanho, força e interesses já não permitem mais. Nada de especialização muito cedo em um único esporte ou treinamentos intensivos, pelo risco de gerar lesões e estresse, além de a criança não desenvolver outras habilidades que poderia desenvolver com esportes diferentes. Pesquise, converse com outras crianças e pais, veja o que os amigos estão fazendo. Finalmente, espere até a criança estar pronta e gostar do esporte, pois não vai dar certo praticar o esporte por obrigação!
 
Fonte: Pediatra on line