Interprete melhor o rótulo dos alimentos.

Dados recentes do Ministério da Saúde demonstram que aproximadamente 70% das pessoas consultam os rótulos dos alimentos no momento da compra, porém mais da metade não entende o significado correto das informações. A maioria só presta atenção à quantidade de calorias descritas, ignorando o restante das informações.

O objetivo deste texto é orientar você e a sua família a interpretar de forma correta as informações disponibilizadas nos rótulos dos alimentos, e saber mais sobre aquilo que você come. Não é só a quantidade de calorias que é importante em uma dieta balanceada!

Os dois pontos mais analisados na rotulagem pelos consumidores são: tabela nutricional e alegações de saúde contidas nos rótulos.

 

O que significam os itens da Tabela Nutricional presente nos rótulos?

- valor energético: é a energia produzida pelo nosso corpo proveniente dos carboidratos, proteínas e gorduras totais. Vem expresso em quilocalorias (kcal) e quilojoules (kJ). Acima de 400Kcal por 100gr é um valor bastante elevado!

- carboidratos: são os componentes dos alimentos cuja principal função é fornecer a energia para as células do corpo, principalmente do cérebro, manterem suas atividades vitais;

- proteínas: são componentes dos alimentos necessários para construção, reconstrução e manutenção dos nossos órgãos, tecidos e células. Acima de 6gr de proteína por 100gr é uma boa escolha, e excelente acima de 10gr;

- gorduras totais: são também fontes de energia do corpo e ajudam na absorção das vitaminas A,D, E e K. As gorduras totais referem-se à soma de todos os tipos de gorduras, tanto de origem animal quanto de origem vegetal. Procure valores com menos de 10gr de lipídios por 100gr do alimento;

- gorduras saturadas: tipo de gordura presente em alimentos de origem animal. O consumo desse tipo de gordura deve ser moderado, porque quando consumido em grandes quantidades pode aumentar o risco de desenvolvimento de doenças do coração;

- gorduras trans ou ácidos graxos trans: gordura encontrada em grandes quantidades em alimentos industrializados. Fique longe desse tipo de gordura! Nosso organismo não necessita deste tipo de gordura e quando consumida em grandes quantidades pode aumentar bastante o risco de desenvolvimento de doenças do coração. Não se recomenda o consumo de mais de 2gr desse tipo de gordura por dia. Mas, fique ligado: a legislação só exige que sejam registrados valores acima de 0,2gr por porção de gordura trans no alimento, ou seja, valores abaixo disso podem ser declarados como zero!

-gorduras monoinsaturadas e polinsaturadas: são as preferíveis na dieta.

- fibra alimentar: está presente em alimentos de origem vegetal. A ingestão de fibras auxilia no funcionamento do intestino e ajuda no controle das taxas de glicemia e colesterol. Quanto mais fibra o alimento tiver, melhor. O ideal seria ingestão de no mínimo 25gr de fibras por dia;

- sódio: está presente no sal de cozinha e alimentos industrializados. Deve ser consumido com moderação, uma vez que o seu consumo em excesso pode levar ao aumento da pressão arterial e retenção de líquidos pelo organismo. Procure alimentos com menos sal, o ideal seria no máximo 2gr de sódio por dia;

- vitaminas: são indispensáveis para o bom funcionamento do organismo, por isso são chamadas de substâncias reguladoras. A falta na alimentação ou quantidade insuficiente pode nos levar a adoecer. Vegetais, como verduras e frutas, são ótimas fontes de vitaminas.

-porção: é a quantidade média do alimento que deve ser consumida, considerando uma dieta saudável. Essas quantidades foram definidas levando em consideração o hábito do brasileiro. Geralmente aparece em gramas ou mililitros. Preste bem atenção neste item, pois os dados do rótulo são para uma porção. Para comparar produtos similares, veja se as porções são as mesmas.

-%VD: a sigla significa percentual de valores diários e uma média de consumo para a população brasileira adulta saudável. Essa média foi utilizada como referência para os valores diários. É importante saber que as necessiades diárias variam com a idade, com a prática de exercícios físicos e com ou estado de saúde de cada pessoa, ou seja, não é regra e deve ser considerada individualmente. Para a quantidade de calorias, o valor médio é de 2000kcal. Cada nutriente apresenta um valor médio diferente para se calcular o %VD (valor diário).

 

Alegação de saúde nos rótulos: cada vez mais os alimentos possuem informação nutricional ou benefícios à saúde como "baixo teor de gordura", "baixo teor de sódio", "fonte de fibras", "livre de gordura trans"(porém veja a observação no item sobre gorduras trans), etc. Estas alegações são utilizadas para apresentar os produtos como contendo propriedades benéficas adicionais de nutrição ou de implicações para a saúde.

Estas informações na embalagem dos alimentos são regulamentadas por lei, e devem ser fundamentadas com provas científicas. O controle é feito pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

 

Outras dicas:  

-os ingredientes estão listados em ordem decrescente de quantidade. Por exemplo, o primeiro ingrediente citado da lista é aquele que possui maior quantidade quando comparado com os demais ingredientes.

-Foque em primeiro lugar a quantidade de gorduras, sódio e fibras do produto.

-Pessoas com restrições alimentares precisam estar ainda mais atentas à composição dos alimentos.

-Atente-se ao prazo de validade dos produtos e compre sempre os produtos mais novos que estiverem nas prateleiras. E é verdade, eles ficam em geral mais no fundo, para vender os mais antigos primeiro!

 

Fonte: pediatra on line