Estudantes em Inglaterra já aprendem matemática, ciência e história, mas centenas de escolas estão a preparar a expansão do currículo tradicional para acrescentar uma nova disciplina: mindfulness.

Em pelo menos 370 escolas inglesas, os alunos vão começar a praticar mindfulness – ou “consciência plena” – como parte de um estudo sobre a melhoria da saúde mental, anunciou o governo britânico em comunicado esta segunda-feira.

Mindfulness é um termo que tem sido traduzido como Consciência Plena, Presença Plena ou Atenção Plena. Pode ser considerado como um processo de auto-regulação da atenção, com o objetivo de trazer uma qualidade da consciência não-elaborativa ao momento presente, dentro de uma orientação de curiosidade, abertura experiencial e aceitação.

É uma prática meditativa que reflete a capacidade humana básica fundamental para prestar atenção a aspetos relevantes da experiência.

Os alunos ingleses vão trabalhar com especialistas na área da saúde mental para aprender técnicas de relaxamento, exercícios de respiração e outros métodos para “regular as suas emoções”, de acordo com o anúncio do governo.

O objetivo do programa é estudar que abordagens funcionam melhor para os jovens num um mundo de mudanças fugazes. O governo disse que o estudo, que será realizado até 2021, é um dos maiores do género no mundo.

“Como sociedade, estamos muito mais abertos à nossa saúde mental, mas o mundo moderno trouxe novas pressões para as crianças“, disse Damian Hinds, secretário de educação britânico. “As crianças começarão a ser introduzidas gradualmente às questões relacionadas à saúde mental, bem-estar e felicidade desde o início da escola primária”.

A iniciativa vem meses depois de uma pesquisa encomendada pelo National Health Serviceter constatado que uma em oito crianças na Inglaterra, entre os 5 e os 19 anos, sofria de pelo menos um distúrbio mental no momento da sua avaliação em 2017.

O estudo, que foi publicado em novembro, também indicou um leve aumento nos transtornos mentais em crianças dos cinco a 15 anos, que subiram para 11,2% em 2017, de 9,7% em 1999. Transtornos como ansiedade e depressão foram os mais comuns, afetando uma em 12 crianças e adolescentes em 2017, e apareceram mais frequentemente nas raparigas.

Imran Hussain, diretor de políticas e campanhas da Action for Children, uma instituição britânica de caridade, no Reino Unido, classificou-a como uma “crise de saúde mental infantil”.

“Todos os dias, os nossos serviços veem crianças e adolescentes a lutar para entender como se encaixam no mundo moderno cada vez mais complexo – lutam com coisas como pressão intensa na escola, intimidação ou problemas em casa, tudo a ser bombardeado pelas redes sociais”, referiu. “Serviços como estes podem diminuir a ansiedade, dor e angústia”.

Duas comissões parlamentares criticaram os relatórios do governo nos quais o programa se baseia, por se concentrarem em lidar com problemas emocionais em vez de os prevenir.

Num relatório divulgado em maio passado, os Comités de Educação, Saúde e Assistência Social escreveram que “a estratégia do governo carece de ambição e não ajudará a maioria das crianças que precisam desesperadamente”, aumentando a carga de trabalho dos professores.

“O papel da prevenção parece ser um elo perdido na construção de um melhor apoio para crianças e jovens, especialmente nos primeiros anos”, escreveram as comissões. Eles descobriram que os media e o sistema de exames de alta pressão das escolas podem ter efeitos particularmente negativos na saúde mental dos jovens.

Mas Jessica Deighton, professora associada em saúde mental e bem-estar infantil da University College London, disse que a nova iniciativa deveria oferecer mais do que soluções rápidas.

“Há uma tendência a pensar que a solução é a intervenção em saúde mental”, disse. “Vamos tentar reduzir o estigma contra os problemas de saúde mental, tornando o ambiente escolar alfabetizado em saúde mental“.

O programa inclui várias táticas, incluindo o treino de professores para realizar exercícios de roleplaying para ensinar práticas de relaxamento e convidar profissionais para discussões em grupo. “Não é apenas para fazê-los sentir-se melhor a curto prazo”, disse Deighton, “mas para melhor equipá-los para mais tarde”.

Fonte: Zap.aeiou.pt

As escolas da Inglaterra vão ter uma nova disciplina: “Mindfulness”

valor. cuidados de qualidade. conveniência.

Endereços:

  • Alameda Rio Negro 1084 Sala M10

       Barueri - SP
       CEP: 06454000 (consultório)

                                                                                      Rede Wi-Fi conectividade em                           todos os ambientes. 

  • Av. Juruá 706

       Barueri - SP

       Unidade Einstein Alphaville

Contatos: 

  • (11) 4208-2048 (consultório) 

  • (11) 98241-9516 (Celular e WhatsApp)

  • (11) 2151-6633 (Einstein Alphaville)

 Ambas as unidades disponibilizam de estacionamento para o conforto e segurança dos pacientes. 

© 2013 Todos os direitos reservados. Imagens ilustrativas.