Orientações para evitar intoxicações

Post Cinza e Marrom de Dia do Trabalho p

Recentemente, a Anvisa notificou um crescimento dos casos de intoxicações por produtos de limpeza e desinfetantes em residências. Nos últimos meses, estivemos mais restritos ao lar, e aumentamos nossos cuidados com higienização e desinfecção a fim de evitar a disseminação da Covid-19. Pensando nisso, resolvemos trazer um alerta sobre o assunto, pois as crianças pequenas são as principais vítimas desse tipo de acidente.


Intoxicações são frequentes na infância, principalmente nos pequenos entre 1 e 4 anos de idade, época em que são curiosos, já têm alguma autonomia para explorar o ambiente, mas não têm discernimento dos perigos.

Os principais causadores de intoxicações são os medicamentos, seguidos de produtos sanitários e de limpeza. Em seguida, temos os acidentes com animais peçonhentos (como escorpiões) e cosméticos. Para protegermos nossas crianças, além de sempre as deixarmos sob a supervisão de um adulto responsável, podemos tomar algumas atitudes que são muito importantes, pois bastam alguns minutinhos de distração para que um acidente potencialmente fatal aconteça:

1- Lavar as mãos das crianças com água e sabonete é a forma de higienização mais recomendada e equivale ao uso de álcool a 70%. Restrinja a utilização do álcool às situações em que a lavagem das mãos não for possível. Mantenha o álcool gel fora do alcance das crianças, longe do fogo e do calor.


2- Guarde produtos de limpeza e inseticidas longe de alimentos e de medicamentos, e fora do alcance das crianças.


3- Mantenha os produtos em suas embalagens originais. Nunca coloque produtos de limpeza, querosene, gasolina ou alvejantes em embalagens de refrigerante ou suco.


4- Com relação aos remédios, os cuidados são vários:

*Mantenha-os em lugar seguro e trancado, fora do alcance das crianças. Lembre-se que pílulas coloridas, embalagens e garrafas bonitas, com odor e sabor adocicados, são muito atraentes para elas.

*Prefira medicamentos em embalagens com trava de segurança (aquela que torna difícil a abertura para uma criança de até 5 anos, mas é fácil para um adulto).

*Leia sempre o rótulo ou a bula antes de administrar medicamentos.


*Evite tomar remédios na frente das crianças e deixe claro que não se trata de uma bala.


*Não dê remédios no escuro, a fim de evitar administração indevida.


*Não utilize medicamentos sem orientação médica e mantenha-os nas embalagens originais com a bula.


*Cuidado com remédios de uso infantil e adulto com embalagens parecidas. Erro de identificação pode causar intoxicação grave
 

*Nunca jogue a embalagem com o seu conteúdo na lixeira.


*Nunca use medicamento com prazo de validade vencido.

E por fim, não podemos deixar de falar sobre as plantas tóxicas, pois muitas delas estão em nossos jardins, vasos e já foram encontradas até em creches (por exemplo: aroeira, antúrio, espada de São Jorge, alamanda, azaleia e comigo-ninguém-pode).

Ensine sempre as crianças a não colocar plantas na boca e conheça a vegetação de sua casa e arredores. Em caso de acidente, retire da boca da criança o que resta da planta, guardando para identificação, e enxague com água corrente.

 

Ligue para o Pediatra de sua confiança ou para o Centro de Controle de Intoxicações da sua região. Ah, e não faça remédios ou chás caseiros com plantas sem orientação médica.

Com esses cuidados em mente e aplicando essas orientações em sua casa, protegeremos as crianças e vamos ajudar a diminuir esses tristes acidentes com intoxicação.

Fonte: Departamento Científico de Segurança da Criança e do Adolescente da Sociedade de Pediatria de São Paulo

valor. cuidados de qualidade. conveniência.