Privação do sono

A privação do sono pode se manifestar de diferentes maneiras na faixa etária pediátrica de acordo com a idade, o desenvolvimento neuropsicomotor, a duração de tempo desde que o problema que provoca os sintomas teve início e a intensidade destes.

Na faixa etária do lactente e até os três anos de idade, a manifestação é principalmente comportamental, com humor instável associado a choro ou inquietação, irritabilidade, agressividade – a criança chuta, belisca, morde, puxa o cabelo do cuidador, o seu próprio ou dos coleguinhas, bate a cabeça com força no travesseiro ou na parede.

Entre três e seis anos pode se acrescentar comportamento hiperativo ou de isolamento e, com menor frequência, sintomas de sonolência diurna com dificuldade em acompanhar as atividades na escola, distração, sono durante atividades monótonas e dificuldades na coordenação motora.

Na faixa etária do escolar até o início da puberdade, os sintomas mais chamativos são o comportamento hiperativo e as dificuldades no aprendizado.

Durante toda a fase da infância podem se juntar sintomas de baixa da imunidade com reações de hipersensibilidade, infecções de repetição, dificuldade em ganhar peso e crescer e também, de forma oposta, obesidade que pode ocorrer desde a fase de lactente quando as tentativas de minimizar o sono ruim são feitas com aumento da ingesta noturna.

A partir da puberdade, um problema muito frequente e do qual a maioria dos adolescentes sofre é o atraso do ritmo fisiológico do sono. Com frequência o adolescente que dorme com facilidade em torno das 22h vai ter dificuldade em iniciar o sono antes das 23h ou mesmo meia noite. Como a necessidade de sono na faixa etária do adolescente é de cerca de 9 a 9:30 horas, podemos ver que será difícil que o mesmo mantenha uma quantidade de sono adequada se tiver que acordar às 6 ou 7 horas da manhã. O resultado é uma privação de sono que se tornará crônica porque o período da adolescência é longo. Os sintomas principais então serão dificuldade no alerta nas primeiras horas da manhã, dificuldade no aprendizado, absenteísmo, dificuldades nos relacionamentos, baixa autoestima, depressão. A cefaleia pode aparecer nessa idade, seja pela privação do sono ou pela ansiedade e estresse devido às demandas e dificuldades em cumprir metas.

Qual especialidade procurar?

Se os sintomas descritos no primeiro artigo sobre privação do sono estiverem presentes devemos analisar a rotina e suas possíveis causas.

Como é o sono da criança/adolescente?
1. Qual o horário em que a criança/adolescente dorme e acorda?
2. Como é o sono? Tranquilo, agitado, fala, ou anda ou chora ou faz movimentos repetitivos no início do sono ou quando dorme? Range os dentes? Está continente ou o xixi escapa durante o sono? Ronca? Para de respirar durante o sono?
3. Tem algum problema crônico de saúde?

O pediatra/hebiatra é, em geral, o primeiro especialista que irá avaliar o problema de sono da criança ou do adolescente e decidir sobre a necessidade de uma consulta com o especialista. O exame clínico geral, exames de sangue e de urina poderão dar pistas de algum problema orgânico.

Uma avaliação com otorrinolaringologista se fará necessária para uma queixa de engasgos, ronco/apneia durante o sono, alergias de vias aéreas superiores.

Uma avaliação com especialista em Medicina do Sono irá analisar as queixas não respiratórias e possíveis transtornos que possam ocasionar um sono interrompido e pouco eficiente, como as parassonias de despertar, os movimentos periódicos de membros, a epilepsia hipermotora do sono, o bruxismo do sono e os transtornos do ritmo circadiano que possam causar insônia. Esse especialista poderá solicitar o exame de polissonografia para um diagnóstico mais preciso do problema do sono e, também, para afastar causas orgânicas associadas às queixas do paciente ou de seus familiares.

Uma vez traçadas as possibilidades diagnósticas e com o resultado do exame de polissonografia, poderá ser necessário um acompanhamento específico com o otorrinolaringologista, neurologista, odontólogo/ortodontista e psiquiatra, entre outros.

Tratamento

As causas de um sono de curta duração ou interrompido são variadas, assim como seu tratamento:
1. O tratamento comportamental (descrito a seguir) é fundamental, o primeiro a ser inserido e sempre deve ser realizado em conjunto com o tratamento do problema de base que está causando o distúrbio do sono.
2. Os distúrbios respiratórios devem ser tratados para que a função respiratória possa ser o mais natural e adequada possível: tratar as alergias respiratórias, avaliar se existe obstrução importante na via aérea superior – hipertrofia de adenoide, de amígdalas, com necessidade de tratamento cirúrgico.
3. Avaliar se a alteração respiratória durante o sono está associada a alteração craniofacial que necessite intervenção específica.
4. Avaliar se existe alteração musculoesquelética, craniofacial ou do tecido conectivo que necessite uso de aparelho de ventilação não invasiva do tipo aparelho de pressão positiva (CPAP), para que auxilie na regularização do padrão respiratório e dos gases arteriais.
5. Avaliar alterações esqueléticas orofaciais que necessitem uso de aparelhos intraorais (aparelhos de disjunção palatina).
6. Avaliar os níveis no sangue de ferro sérico + ferritina + saturação da transferrina para corrigir possíveis causas de movimentos periódicos de membros inferiores – sono agitado, chutar, jogar as cobertas etc.
7. Avaliar presença de atividade epileptiforme nos traçados do eletroencefalograma (achado comum entre as crises epilépticas) que justifiquem tratamento apropriado.
8. Avaliar despertares frequentes no sono de ondas lentas (N3) que, associados à queixa de despertares súbitos/sonambulismo, choro inconsolável/terror noturno, justifiquem tratamento apropriado.
9. Avaliar o padrão da vigília e do sono para caracterizar um possível distúrbio do ritmo circadiano e tratar de forma apropriada.

Higiene do sono

Instituir o que chamamos ritual de dormir:

1. Colocar a criança para dormir em horários regulares. O adolescente deve também adotar horários regulares em função da disponibilidade de sono que possui e sabendo da necessidade aumentada de sono nessa faixa etária. Se pode acordar mais tarde, por exemplo, se estuda no período da tarde, pode dormir no horário em que dorme mais rápido, mas este horário deve ser fixado. Não esperar sentir sono para ir para a cama.

2. Criar um ritual para dormir:
A partir do sexto mês de vida, um ritual pode ser estabelecido para todos os bebês com boa saúde. O bebê deve receber a mamada/mamadeira na sala. Se adormecer quando recebe a mesma, segurá-lo por alguns minutos em posição sentada e levá-lo para o próprio quarto. Durante a mamada pode-se colocar um “amiguinho de dormir”, para que segure-o e aprenda a manipulá-lo – é interessante que esse amiguinho tenha um interesse tátil, como recheio de bolinhas de isopor ou orelha de cetim/gorgorão. Uma luz fraca (5 watts) e escura (azul marinho/roxa) pode ser usada como luz de presença, num canto do quarto, se for preciso atender o bebê no meio da noite.
A medida que a criança fica mais desperta depois da mamada e cresce, pode-se levá-la para trocar a fralda, colocar o pijama e escovar os dentes. Uma vez no quarto, sentar-se numa cadeira ao lado da cama, colocar uma lâmpada amarela de 40 watts indireta (essas que são colocadas de trás para a frente, na cabeceira da cama ou na parede) e cantar, contar uma historinha, rezar, fazer um carinho e terminar com um gostoso beijo de boa noite e planos para a manhã seguinte.
Para os maiores, pode-se introduzir uma leitura.
O ritual vai se modificando conforme a criança cresce e o último item que desaparece, em geral já na puberdade, é o beijo de boa noite.
O tempo do ritual deve ser sempre de 20 a 30 minutos. Isso traz segurança e ajuda a criança/adolescente a entrar no período incógnito do sono, com tranquilidade. A experiência bem sucedida será, então, incorporada como um hábito que a criança/adolescente levará para o resto da vida.

3. Em geral as mamadas noturnas não são mais necessárias a partir de 12-18 meses.

4. O ideal é que o período entre o jantar e o início do sono não seja inferior a 2 horas.

5. Não utilizar aparelhos eletrônicos – celulares, tablets, TV etc. como forma de facilitar o sono, pois todos impedem a liberação da melatonina, que é nosso neuro-hormônio facilitador e que mantém o sono.

Fonte: Departamento Científico de Medicina do Sono da SPSP.

valor. cuidados de qualidade. conveniência.

Endereços:

  • Alameda Rio Negro 1084 Sala M10

       Barueri - SP
       CEP: 06454000 (consultório)

                                                                                      Rede Wi-Fi conectividade em                           todos os ambientes. 

  • Av. Juruá 706

       Barueri - SP

       Unidade Einstein Alphaville

Contatos: 

  • (11) 4208-2048 (consultório) 

  • (11) 98241-9516 (Celular e WhatsApp)

  • (11) 2151-6633 (Einstein Alphaville)

 Ambas as unidades disponibilizam de estacionamento para o conforto e segurança dos pacientes. 

© 2013 Todos os direitos reservados. Imagens ilustrativas.